sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Histórias...


Ontem estava chovendo, fui de ônibus para a faculdade para voltar de carona com um amigo. Fazia muito tempo que eu não andava de ônibus e não sabia mais os horários, sem contar que fiquei todo o tempo pensando que tinha pego o ônibus errado.

Muita gente não gosta de andar de ônibus, eu gosto (só não gosto nos horários de pico)...sabe aquelas cenas de filme em que a pessoa fica olhando pela janela enquanto toca a trilha sonora? E quando a pessoa vai viajar e fica olhando a paisagem passando pela janela...adoro...

Mas acredito que o fato de eu gostar de andar de ônibus não venha dos filmes, mas das lembranças boas de minha infância. Minha mãe era cobradora de ônibus e eu, minha irmã mais nova e meu pai quando íamos a algum lugar sempre íamos dar uma volta junto com ela, lembro que meu pai achava o máximo eu ‘saber ler’ as placas das fachadas, isto quando eu tinha uns cinco anos e nem era alfabetizada, mas ele ficava todo empolgado porque eu falava: aqui é tal lugar, olha lá tal coisa...olha a Casa do Papai...que era meu lugar preferido para passar na frente...acho que eu sabia tudo de cor.

Quando eu e minha irmã crescemos mais um pouco, por volta dos dez, onze anos nós íamos sozinhas de ônibus para tudo quanto é lugar, naquela época não tinha essa preocupação de não deixar criança sair sozinha, muito pelo contrário, minha mãe incentivava ao máximo para que aprendêssemos a ser independentes e responsáveis (eu sei que hoje não dá para facilitar, minha sobrinha, por exemplo, tem sete anos e ninguém a deixa ir sozinha à padaria na esquina de casa)...eu e minha irmã íamos sozinhas ao supermercado quando precisava comprar alguma coisa que estivesse faltando, íamos à biblioteca, ao shopping...e o mais engraçado é que passávamos o maior apuro para conseguir apertar a campainha por causa de nossa altura, mas adorávamos.

Depois veio a época de estudar no centro e ter que pegar ônibus todos os dias para ir para a escola, daí eu já tinha uns quinze anos e minha rotina era ir de manhã para a escola e dois dias à tarde eu ia às aulas de informática, um dia eu ia ao estágio, porque eu fazia magistério, e sobrava uma tarde livre, já que eu estava lá no centro eu usava esse dia para ir à biblioteca, ou pegava minhas revistas (que eu era viciada em Capricho, Atrevida e Todateen) e passava a tarde toda no parque da prefeitura lendo ou escrevendo na minha agenda. Época boa...em que meu almoço geralmente era uma barra grande de chocolate e uma lata de coca-cola.

Já tive fases de andar de ônibus enquanto estava triste, de andar de ônibus para pensar na vida, isso sem contar as histórias engraçadas, estranhas...hoje raramente eu ando de ônibus...só nos dias de chuva para ir à faculdade, até porque com a vida corrida que a gente leva quanto mais rápido formos de um lugar para outro melhor e deslocar-se de ônibus definitivamente não é a alternativa mais rápida.

3 comentários:

Luciano de Sálua disse...

Andar de ônibus, às vezes é bom demais, às vezes não. Quando preciso pensar em algo sério, não penso duas vezes, saiu pegando todos os ônibus pelo caminho, rs.

Stella Tavares disse...

Um lindo post! Delicadas e doces lembranças como esta ficam para sempre. Adorei o seu blog e com certeza voltarei.
Bjs.

Lilith disse...

Luciano...têm toda razão...às vezes é bom, ás vezes é ruim...eu também adoro pensar na vida andando de ônibus...bjus.

Stella...que bom que gostou...seja bem vinda!..bjus.