sexta-feira, 29 de maio de 2009

Você não sabe e nem faz questão de saber

O que me faz pensar que eu posso cobrar de você o que eu não gosto de ser cobrada?
É por isso que mantenho minhas contas pagas e cartas seladas.
O que me fez acreditar que um dia eu poderia ser sua, que um dia eu teria você?
O que me fez acreditar em nós? O que me fez vítima? O que te fez algoz?
Você não sabe, não é? E nem faz questão de saber.
Você não sabe que quando eu fecho os olhos, te lembro.
Você não sabe que quando te abraço, te adoro.
Você não sabe que quando me ausento, te chamo.
Você não sabe que quando ignoro, te quero.
Você não sabe que quando te vejo, estremeço.
Você não sabe que quando te escuto, me perco.
Você não sabe a metade do que sinto por você.
Você não sabe e nem faz questão de saber.
Você não sabe que eu choro por dentro e em silêncio.
Você não sabe que quando te toco, te tenho.
Você não sabe que quando te ouço, viajo.
Você não sabe que é pra você que me trajo.
Você não sabe que me distraio, me concentrando em você.
Você não sabe que se eu recuo, é pra tentar te esquecer.
Você não sabe que se te encaro é pra chamar a atenção.
Você não sabe que aqui bate a mil por hora um coração.
Você não sabe que a sua ausência me incomoda.
Você não sabe que a sua presença me conforta.
Você não sabe que o seu sorriso me enciúma.
Você não sabe que a sua voz me desapruma.
Você não sabe de muita coisa e eu prefiro que seja assim, prefiro que nada saiba.
Prefiro o anonimato, admiração secreta, bastidores, entrelinhas.
Prefiro me manter distante a necessitar de você, pelo menos fingir afastamento, quando na verdade, estarei bem mais perto do que você imagina, mais presente do que nunca.
Prefiro me manter contida a precisar de você, pelo menos fingir contentamento, quando na verdade estarei em tristeza mesmo com um brilho no rosto. Pode ser maquiagem, pode ser malandragem, pode ser camuflagem.
E quando você notar uma latente impressão de estar sendo amado tenha a convicção que estarei escondendo o que sinto, privando o que quero e fingindo tudo o mais que você nem sabe e nem faz questão de saber.


(Monique Frebell)

6 comentários:

Nando disse...

Que lindo texto... deve ser virginiana huahauhauahahha...

Menina, eu também quase desisti da minha formatura. ODEIO.COM vender rifaaaaaaa... no final eu já tava de saco tão cheio, mas TÂO cheio, que nem pegava mais, comprava logo todos os meus números! Mas vale a pena participar da formatura sim, é brega pra @$%#& mas você chora mesmo assim... :P

Stella disse...

Isso é uma música?
(é porque rima e não parece poesia...)

Interessante. :)

Beijo!

P.s: te respondi lá no blog. É aquilo mesmo, a gente parece que se priva de tanta coisa só porque achamos que estamos "muito velhos pra isso"... :P

Felipe disse...

êeee paixão contida!

Cadinho RoCo disse...

A indiferença é algo terrível.
Cadinho RoCo

Menina Nina disse...

Que paixão forte!!!!!

Lilith disse...

É...gente...acertaram, paixão contida...hahhahha...

Stella, eu nã sei se é uma música, eu tirei do blog da autora, Monique Frebell, é que resume tanto a minha situação e eu achei tão lindo que eu publiquei aqui no Delírios.

Nando, vc tem toda a razão, acho que eu vou acabar comprando todos os números daqui para a frente...mas que eu vou participar da formatura vou, está decidido...hahhahha...

A todos....bjus, bjus.